Custos na Indústria Gráfica – 39 ANOS DE CURSOS

27/10/2011  5:16 pm

 

Está sendo uma trajetória e tanto. Há trinta e nove anos atrás, entre os dias 23 a 27 de outubro de 1972, oganizei a primeira turma do Curso de Custos na Indústria Gráfica usando uma sala de aulas do Curso Adjetivo no bairro do Alto do Ipiranga em São  Paulo. Foram dez participantes de oito empresas.

Foto da primeira turma em 1972

O material distribuido era mimeografado e usei um quadro negro para mostrar como se fazia um mapa de localização de custos, os cálculos e a explicação dos conceitos básicos de formação do preço de venda e de como elaborar um Mapa de Localização de Custos.
Eu estava muito ansioso e em vários momentos senti calafrios e um certo tremor nas pernas. Quando terminou a primeira aula fiquei mais calmo e muito feliz pois a aceitação do conteúdo por parte dos participantes foi muito acima das minhas expectativas.

No final do curso todos me incentivaram muito a continuar, e diziam: “Vá em frente Ferrari! Vá em frente! Esse assunto é muito importante para a nossa empresa e para todas as gráficas”.A caminho de casa me senti muito calmo e certo de que, além de realizar um sonho, tinha feito um trabalho útil para aquelas pessoas e para aquelas empresas.O tempo foi passando e novas turmas foram sendo realizados em vários bairros de São Paulo.Chegaram pedidos solicitando o curso para outras cidades e estados.Comecei viajar com certa frequência por todo o Brasil, conhecendo pessoas
e empresas que sempre me acolheram com grande carinho e amizade.Evoluindo sempre, passamos pelas ABIGRAFs e pelos SINDICATOS regionais, pela Federação Nacional da Indústria, pelo SENAI de Artes Gráficas, ABTG e pela CALCGRAF, sempre com muito pioneirismo e desenvolvendo novos conceitos.

Cultivamos muitos amigos e clientes que até hoje contribuem nesta constante evolução. Esses amigos sempre estiveram por perto até mesmo nas horas de grande adversidade.

O Certificado de participação

Ao compartilhar este momento especial de trinta e nove anos, quero acima de tudo agradecer a minha família, as minhas filhas e a todos que me acompanharam nesta trajetória, em especial a todos os alunos que participaram das quase 300 turmas do curso, pois eles sempre foram a minha principal motivação.Encerro este agradecimento com uma reflexão que tem sido uma força inspiradora em cada passo na minha jornada:

“Nós não inventamos os custos nem os cálculos, mas a história de sua
evolução na Indústria Gráfica Brasileira tem a nossa marca…Sabe o que isto significa? Significa que ainda temos muito caminho pela frente.”

Espero sempre continuar contando com todos vocês.

Relação dos participantes da primeira turma

Publicado em  27 de outubro de 2011 por José Ferrari em CUSTOS, FOTOS, GRÁFICAS, NOTÍCIAS, VENDAS.

Indústria Gráfica – FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

19/10/2011  3:47 pm

• A importância de se conhecer

Conhecer a formação do preço de venda na empresa gráfica é uma afirmação óbvia, pois é do conhecimento de todas as ferramentas e estratégias que foram usadas na sua elaboração, que poderemos saber como agir nos momentos de negociação ou mudança no mercado.

• A adoção de um critério

A ausência de critérios na formação do preço de venda na indústria gráfica é, sem dúvida, uma das suas características mais curiosas e marcantes. É impressionante como em muitas empresas ainda proliferam formas de se fazer preço que não obedecem basicamente a nenhum critério mais técnico/didático. Papel x 3, 10% a menos, Bico de resma, Ferra concorrente, entre outros, são os critérios mais encontrados.

• Qual é o preço certo?

Qualquer gráfica quando consultada, afirma que deu o preço certo. Depois de mais de trinta anos trabalhando na área de assessoria em custos especificamente para indústrias gráficas, eu ainda encontro muitas pessoas querendo discutir preço certo.

• Custo é Mercado

Conhecer profundamente o conteúdo desta afirmação é no mínimo inteligente. Devemos ter a percepção de que no momento que a empresa quer competir no mercado gráfico, vai encontrar pessoas e empresas com os mais diferentes objetivos sociais, pessoais, tecnológicos, econômicos, financeiros, políticos, etc.

• Integração a um Sistema

Na moderna empresa gráfica, um bom sistema de custos e formação de preço de venda deve estar integrado a um sistema maior, normalmente informatizado que possa nos informar diariamente tudo o que se relaciona com as vendas, produção, estoques, valor e estrutura da carteira de pedidos, controle da margem de contribuição, etc.

 

Publicado em  19 de outubro de 2011 por José Ferrari em CUSTOS, GRÁFICAS, NOTÍCIAS, VENDAS.